segunda-feira, fevereiro 13, 2006

Brokeback Mountain





O último filme de Ang Lee tem vindo a chamar as atenções nos últimos tempos. E não era para menos: há meses que só se ouvia falar de um filme de "cowboys gays". Todo este hype causa, geralmente, alguma desconfiança.

O filme revelou-se, no entanto, uma obra-prima de extrema sensibilidade. O epíteto de filme sobre "cowboys gays" é injusto e redutor. É antes uma históra sobre um relação complexa entre dois homens que nutrem um pelo outro sentimentos proibidos tanto pela moralidade da época como pelos seus próprios preconceitos. Não me alongarei muito sobre o filme e revelarei muito pouco acerca da história porque penso que quem ainda não viu deve deixar-se envolver pelo filme sem ser guiado por nenhuma interpretação que eu ofereça aqui. Se o leitor não viu ainda o filme o melhor é mesmo nem sequer ler este post.

Ennis del Mar é um homem simples e de poucas palavras que é interpretado brilhantemente por Heath Ledger. No Verão de 1963 aceita um trabalho de pastoreio na montanha Brokeback com Jack Twist (Jake Gyllenhaal). Aí surge inevitável mas inesperadamente uma paixão entre os dois homens que ambos não compreendem totalmente.

O regresso repentino da montanha que interrompe a construção da relação entre os dois é um prelúdio para o que serão as décadas seguintes e desencadeia aquilo que é o primeiro sinal da batalha interior de Ennis, perseguido por uma visão traumática de infância em que um homem (também cowboy) terá sido linchado por viver num rancho com outro.

Ambos acabam por casar e ter filhos e reencontram-se apenas volvidos 4 anos. A partir daí segue-se uma vida monótona e dolorosa pontuada apenas por algumas idas à montanha que se transforma numa espécie de santuário onde podem fugazmente viver a vida que de outro modo lhes era negada (ou que se negavam).

O filme segue o ponto de vista de Ennis e, por isso, é também lacónico e profundamente sensível. As deixas são escassas porque são os silêncios que carregam o subtexto do filme.

Não é um filme intelectual com grandes lucubrações sobre a condição dos dois homens, é antes um testemunho de uma história trágica. A escassez dos diálogos obriga-nos a vestir a pele dos personagens e a partilhar a sua tragédia.

As relações dos dois homens com as respectivas mulheres, elas também vítimas, são honestas mas muito incompletas. O filme evita os rótulos que, de outro modo, seriam inadequados à época e ao contexto em que a história se passa. Os dois homens não compreendem totalmente o que sentem e, por isso, não poderiam nunca ter comportamentos nem atitudes lineares e que hodiernamente são identificadas como gay. Não existem propriamente maus da fita, o filme retrata sobretudo o conflito dos personagens consigo mesmos e com os outros (reais ou imaginados). Não é um filme panfletário e talvez por isso tenha frustrado a comunidade gay mais militante. É um filme que consegue contar uma história de amor sem ser um melodrama e também sem ser asséptico. O facto de isto ter sido possível com um tema homossexual é provavelmente o melhor serviço que Ang Lee poderia fazer ao movimento gay.

A banda sonora carregada de pathos serve genialmente as poucas cenas em que é utilizada. As muito discutidas cenas eróticas (homo e hetero) são feitas com muito bom gosto e são essenciais para transmitir as evidentes diferenças, por um lado, entre o carácter da relação de Ennis com Jack e com a sua mulher e, por outro, a confusão de violência e carinho com que Ennis encara Jack.

As cenas finais são carregadas de um simbolismo e de uma força emotiva arrebatadoras. Uma lição de vida sem ser moralista, eis o que Ang Lee conseguiu. Neste filme está encarnada uma reflexão dolorosamente emotiva sobre a coragem para ser feliz.

8 comentários:

Wanderer disse...

From the little Portuguese that I manage to undestand...I can say that I agree ;)

Anónimo disse...

Penso que esta história de amor entre pessoas do mesmo sexo :z, como ouvi na televisão do autocarro, merece ser premiada nos Óscares.
De notar as constantes lutas entre eles talvez para mostrar que não são fracos, são homens. É a justificação que se procura sempre dar aos outros, mas que serve essencialmente para nós próprios.
Uma relação complicada. O Jack Twist sempre soube o que queria, o Ennis Del Mar (adoro este nome ;) ) sofreu uma evolução que culmina no fim: "Jack Twist, I swear ...".
Mário

Anónimo disse...

Tem razão, não é um filme intelectual. É mais um filme de 'sarapitolas', só que dirigido aos 'gays' (vulgo mariconços).

shawnflynn5137861796 disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
João Vasco disse...

As tuas palavras conseguem captar sobremaneira a emotividade inerente em cada fotograma. Concordo com cada sílaba e partilho contigo a visão/interpretação que fazes do filme. É sobretudo uma lição sobre coragem para se ser feliz.

Felipe disse...

Esse filme, ganhou Orcar, Globo de Ouro, entre outros prêmios e eu ainda não assisti! Estou perdendo tempo, pois parece ser ótimo! Gostei muito do seu blog! Abraços

mattbencon10540394 disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
comentarista disse...

Este filme destruiu as brincadeiras das gerações vindouras. Agora o que é que os mais novos vao fazer, já nao podem brincar aos cowboys. Um beijinho a todos.